quinta-feira, 3 de maio de 2007

Maçonaria: uma perspectiva desassombrada


I

Na sequência de uma reflexão sobre a moral e a ética numa sociedade plural e de economia de mercado, decidi elaborar um texto sobre a Maçonaria – ou no léxico maçónico uma prancha - numa perspectiva crítica e desassombrada sobre esta Ordem e uma visão pessoal acerca do seu presente e futuro. Por ser um dos meus antigos temas de estudo decidi-me a partilhar a minha perspectiva sobre um assunto que suscita a curiosidade de muita gente. Neste sentido, para aqueles que queiram uma introdução para melhor se inserirem no tema, remeto-os para uma síntese mais abreviada neste artigo que elaborei no ido ano de 2003 para a revista digital Herne, a qual espero que retome o mais breve possível a sua actividade entretanto interrompida.

II

Começo por salientar, antes de mais, aquilo que no meu entender poderia constituir uma característica favorável à Maçonaria quer na actualidade quer no futuro numa sociedade pluralista e liberal: o seu objectivo de construir uma ética individual. Pois a Maçonaria embora tenha nascido em consequência de um agrupamento de indivíduos e de uma determinada conjuntura sociocultural, as suas ideias doutrinárias põem a ênfase no indivíduo, no microcosmos, cuja ética é essencial para a harmonia e o equilíbrio do mundo, ou macrocosmos. A luz iniciática tem como fim essencial a transformação do indivíduo, simbolizada pela evolução da pedra bruta até atingir o estado de pedra cúbica perfeita. O conjunto de pedras cúbicas irá erguer o Templo da Humanidade, isto é o Templo de Salomão, em relação ao qual o imaginário maçónico construiu o seu próprio mito baseado neste rei de Israel e no mestre arquitecto Hiram.
Ora, este papel de destaque do sujeito em si mesmo como ponto crucial da evolução social, que por sua vez parte do indivíduo para o colectivo (e não do colectivo para o indivíduo tal como muitas ideologias progressistas defendem) poderia fazer da Maçonaria uma das instituições fundamentais numa sociedade globalizada em que prevalecesse o mercado livre e cuja ética e solidariedade não fossem competência, nem muito menos imposição, do Estado.

Contudo, ao longo dos anos todas as obediências maçónicas viram a sua imagem desgastada, devido entre muitas razões, a guerras e cismas internos, escândalos de corrupção e de crime organizado, desleixo ritual e ético e falta de exigência nas admissões de recipiendários. Podemos também referir as sempre difíceis relações com as várias denominações religiosas cristãs, em especial com a Igreja Católica, segundo a qual os maçons incorrem em "pecado grave" com várias esforços e campanhas de dissuasão. As constantes bulas de condenação e reprovação provêm desde os tempos do nascimento da Maçonaria, contudo as relações agravaram-se com a laicização do Grande Oriente Francês, nos finais do século XVIII, que relativizou o significado do símbolo máximo, ou seja o Grande Arquitecto do Universo, abrindo deste modo as portas a ateus e agnósticos. O Grande Oriente Francês deixou, então, de ser reconhecido como regular , em conjunto com outras obediências seguidoras, por determinação da Grande Loja de Inglaterra, a qual possui essa "autoridade" de reconhecimento entre o mundo da Maçonaria dita regular.

Por outro lado o processo de laicização maçónica foi de certo modo paralelo ao da cultura ocidental, muitas vezes entrecruzando-se ambos os caminhos. Processo que vinha ganhando forma desde os tempos da elaboração da Encyclopédie.
Desde essa altura muitos ilustres maçons travaram batalhas com consequências visíveis pela laicidade e pelo livre pensamento e a evolução dos tempos e os ventos da mudança muitas vezes sopraram na direcção deles. Contudo, o reverso da medalha, que entre muitos não é entendido, é que foi precisamente o impacto crescente do materialismo e de diversas correntes próximas do nihilismo e do marxismo que ao assumirem um papel preponderante na cultura e nas mentalidades da sociedade contemporânea ocidental foram também relegando para segundo plano a Maçonaria e as suas lutas. Subsequentemente, o humanismo secular dispensa-a e chega a desprezá-la, a religião olha-a com desconfiança, senão mesmo com reprovação. Por outro lado, se em parte assistimos a um renascimento da necessidade de alimento espiritual, a Maçonaria não apresenta a solidez nem a consistência espiritual do dogma das religiões reveladas nem o efeito novidade e o folclore das novas correntes New Age.

III

No presente e no futuro o papel e a sobrevivência da Maçonaria serão uma incógnita, embora numa primeira análise seja de duvidar um futuro promissor, pois a secularização crescente das mentalidades se por um lado a tornam desnecessária, anacrónica e incompreendida, por outro falta-lhe a consistência teológica e espiritual que os mais carentes deste alimento procuram nas religiões reveladas e em outros movimentos assumidamente religiosos e espirituais. Para além disto a Maçonaria é uma instituição que em primeira análise não é fácil de classificar, pelo menos de modo rápido, claro e objectivo. Pois não se trata de uma religião, não é uma associação política (pelo menos assumidamente), não é uma associação meramente cultural e/ou de beneficência e, em simultâneo, acaba por ser isso tudo e eventualmente muito mais. Ora a ambiguidade e a pouca visibilidade de propósitos claros levou a que ao longo dos tempos perdesse objectividade, dando origem a que dela se fizesse aquilo que muitos bem entendessem e que inclusive caísse em muitos casos em mãos de elementos desonestos e oportunistas.
Por seu turno, a desconfiança e a facilidade intrínsecas ao ser humano e em especial aos Portugueses - que todos os dias vêem mediatizadas as mais diversas teses de "cabalas" a justificar situações pouco claras e encrencas diversas - com que se elaboram teorias de conspiração têm sido pouco justas para com aqueles que dentro desta Ordem trabalham honestamente e de modo sinceramente filantrópico em prol de um mundo melhor.
Por outro lado, o paralelo estabelecido com o Opus Dei faz pouco sentido. A tese de guerra secreta é apenas ficção muito rentável de novelas adaptadas ao grande ecrã. Aliás, esta prelatura da Igreja Católica, embora seja evidente o seu propósito inicial de uma segunda contra-reforma - esta já não contra os protestantes e os hereges mas sim contra a inevitável evolução da laicidade, e também contra alguma desmoralização e imobilismo vigente em diversos sectores do catolicismo - acaba por ser vítima de muita efabulação que em tempos idos também fustigou a própria Maçonaria. Uma coisa têm porém em comum, ambas são vítimas do ódio dos quadrantes anticapitalistas e antidemocráticos.

Concluo com a dúvida e a incógnita quanto ao futuro: poderá uma sociedade liberal, na qual o Estado possa relegar para a sociedade e para o indivíduo o papel regulador e vigilante com princípios éticos comuns, sobreviver apenas com valores materialistas, dependendo apenas da ética do mercado? Será a religião – seja ela qual for – a única fonte de valores éticos e morais para uma sociedade equilibrada e justa?

2 comentários:

Sininho disse...

A Ética, pobre dela, está, a quase todos os níveis, em acelerado estado de degradação.
Os valores inverteram-se: O que ontem era motivo de vergonha, hoje é orgulho (não vejas aqui segunda intenção) e vice-versa.
Que tipo de sociedade, secreta ou não, poderá resistir ao vendaval dos tempos?
Se persistir na imutabilidade, não se lhe augura um futuro muito promissor...

Pedro disse...

Enquanto houver um homem à face da Terra, Sininho, haverá sempre hipocrisia nas convicções e nas ideias, oq ue não significa que as coisas melhorem se as convicções e as ideias desaparecerem.