domingo, 19 de outubro de 2008

Querido Café,

Não tem sido fácil manter o ritmo de postas (que não são de pescada) daqui do tasco. Não há desculpas aceitáveis, nem tampouco ter enfiado o carro na traseira de um domingueiro em dia de semana e consequentes despesas e chatices. Nem tampouco os eternos prazos para ontem de revisões e traduções que queira Deus me continuem a confiar. Sob pena de ter de fechar a casa de pasto.
Muitos não precisaram de tanto para fechar as suas. Como tal, sem terem dado cavaco a leitores e amigos não merecem mais senão desprezo. Como diz o outro, "no news, good news". Logo devem estar vivos e de boa saúde, apenas com o problema principal dos dias de hoje: (falta) de educação.
Essa mesma que tem sido paixão de muitos governos. Como paixão é perdição, os resultados estão à vista, a começar pelo (E)estado do Ensino. Esse mesmo que pôs grupos de professores, alguns deles meus ex-colegas de curso a fazer figuras que muitos palhaços pobres não se sujeitariam a fazer. Sob o pretexto de campanha de promoção do "Magalhães", computador elevado ao nível do Trebante da ex-RDA, a cegada anda publicada aí em vários blogs e é triste de se ver. Como tristezas não pagam dívidas eu prefiro postar boa música.
Ainda não acabou o mundo fruto da "catástrofe do capitalismo" nem do "aquecimento global", por muito que isso custe a tanta boa gente tão bem pensante e profícua em conversa para os me(r)dia reproduzirem. Deus deve andar distraído. O do Niilismo, claro está - passe a contradição.
E com esta me fico querido Café, que já me estão aqui a apitar os caramujos para me lembrarem dos prazos, ou da falta deles...

5 comentários:

Nuno Nogueira Santos disse...

http://avarinhamagicadevalentimloureiro.blogspot.com/

Ana disse...

Eu sei o que é falta de tempo e a vontade, por vezes quase irreprimível de parar de postar.
Mas acredita que és lido por muita gente que não se dispõe a deixar comentários. Ou acha que não sabe fazê-lo.
E, mesmo virtual, a presença de quem lê o que aqui colocamos é reconfortante.
Para mim, pelo menos, é.

Esta época do ano tira-nos sempre um bocado de energia.
Mas não desistas, Pedro.

Abraço

Pedro disse...

Sr. Nogueira Santos

Boa sorte para o seu livro e para a sua causa. Terá o meu apoio a menos que o "Major" me ofereça um conjunto de electrodomésticos daqueles de fazer inveja à mais prendada dona de casa...

Ana
Fico mais que meramente comovido com o teu apoio e encorajamento. São pessoas como tu, entre as quais és das mais importantes, que me motivam a escrever e que acabam por condicionar minha escrita a um maior grau de exigência e primor.
Este não foi um post de desânimo nem tenciono encerrar portadas e "trespassar" o tasco, mas quando vemos que há leitores sensíveis aos nossos problemas, descobrimos que andamos aqui a fazer alguma coisa.

Um grande abraço
Pedro

Pequena Papoila disse...

Só visto! Então e eu!!! :S :P ;)
Ó Pedro, não tenho cá vindo muitas vezes ultimamente deixar comentários, (é uma grande verdade) por preguiça, por chatices do quotidiano, inércia, falta de inspiração e etc., mas não deixei de gostar muitíssimo deste blogue, do dono e das postas de "pescada" dele... ;)
Beijinho com alguma nostalgia de tempos idos em que eu vinha aqui e aos afins: Sonhos e Delírios de Uma Insónia, Felix-Mundo com alguma frequência, mas a Vida é um turbilhão que nos consome energias físicas e psíquicas!
Ah, mas venho algumas vezes ler e reler também só para "matar" saudades, e tentar aperceber-me de como está o nosso Pedro - consigo próprio, o seu mundo envolvente, e o outro também. :)

Pedro disse...

Pois, folgo sempre muito em ter notícias da Áurea, que é alguém que o Café tem em muita consideração.
Volte sempre e muito grato fico com o gosto que tem em visitar-nos, o qual é um dos melhores incentivos.

Abraço